Sperto

Controle de pragas do jeito que você precisa.

Eficiência de controle

Espectro de controle - Mosca Branca (Ácaros)

Melhor choque da classe

Ficha técnica

Ingrediente ativoAcetamipridi + Bifentrina
ClasseInseticida sistêmico de contato e ingestão
Concentração250 gr/kg acetamipridi + 250 gr/kg bifentrina
Tipo de formulaçãoGranulado Dispersível (WG)
Classe toxicológicaIII - Medianamente Tóxico
Embalagem10 x 1 L

Indicações de uso

CulturaDoençaDoseNúmero, Época e Intervalo de Aplicação
AlgodãoBicudo-do-Algodoeiro(Anthonomus grandis)160 a 200 g/ha (200 L/ha)Iniciar a aplicação quando o nível de infestação obtido através de monitoramento atingir de 3 a 5% de botões florais atacados. Fazer bateria com 3 aplicações sequenciais com intervalo de 7 dias. Usar a maior dose em situação de maior pressão da praga ou quando o clima for favorável ao ataque. Realizar no máximo 3 aplicações por ciclo da cultura.
AlgodãoMosca-branca (Bemisia tabaci raça B)140 a 180 g/ha (200 L/ha)As aplicações deverão ser iniciadas quando do aparecimento dos primeiros adultos da praga ou conforme o nível de infestação da cultura. Repetir se necessário após 7 dias. A dose menor poderá ser aplicada em condições de baixa infestação ou menor histórico da praga na região. Realizar no máximo 3 aplicações por ciclo da cultura.
AlgodãoPulgão-do-algodoeiro (Aphis gossypii)80 a 100 g/ha (200 L/ha)O início das aplicações está baseado no cultivar de algodão plantado. Nas cultivares tolerante a virose iniciar o controle quando 70% das folhas das plantas examinadas começarem a se deformar e apresentarem pulgões vivos. Para as susceptíveis a virose, a aplicação deverá ser iniciada quando 5 a 10% das plantas apresentarem pulgões. Fazer 3 aplicações sucessivas com intervalo de 7 dias. A dose menor poderá ser aplicada em condições de baixa infestação ou menor histórico da praga na região. No controle destas pragas, recomenda-se fazer rotação com produtos que possuam diferentes mecanismos de ação sobre os insetos para que seja evitado o aparecimento de resistência destes aos ingredientes ativos utilizados. Realizar no máximo 3 aplicações por ciclo da cultura.
BatataPulgão-verde (Myzus persicae)80 a 120 g/ha (200 L/ha)Iniciar as aplicações quando aparecerem as primeiras colônias de pulgões na cultura. O monitoramento deve ser realizado com instalações de bandejas d’água amarelas (4/ha) ou contagem direta de pulgões em 100 folhas por hectare, 2 vezes por semana e constatar mais de 20 pulgões alados/bandeja ou mais de 30 pulgões ápteros por folha em cada observação. Repetir a aplicação se necessário em intervalos de 7 dias, fazendo rotação com outros produtos com mecanismos de ação diferentes. Utilizar a maior dose em caso de altas infestações ou em condições climáticas muito favoráveis ao desenvolvimento da praga. Realizar no máximo 3 aplicações por ciclo da cultura.
CaféBroca-do-café (Hypothenemus hampei)160 a 200 g/ha (300 L/ha)Realizar a aplicação quando o grau de infestação for igual ou maior que 5% avaliando-se o número de grãos perfurados coletados ao acaso em ambos lados da planta, em no mínimo 100 frutos colhidos dentro do talhão. Repetir a aplicação em um intervalo de 30 dias. Utilizar a maior dose quando o cafeeiro tiver grande densidade vegetativa. Realizar no máximo 2 aplicações por ano.
FeijãoMosca-branca (Bemisia tabaci raça B)140 a 180 g/ha (200 L/ha)Iniciar a aplicação no início da infestação quando do aparecimento dos primeiros adultos da praga. Repetir a aplicação se necessário em um intervalo de 7 dias. Recomenda-se fazer rotação com produtos que possuam diferentes mecanismos de ação sobre os insetos, evitando-se assim o aparecimento de populações resistentes aos estes inseticidas. Utilizar a maior dose em caso de altas infestações ou em condições climáticas muito favoráveis ao desenvolvimento da praga. Realizar no máximo 2 aplicações por ciclo da cultura.
SojaMosca-branca (Bemisia tabaci raça B)160 g/ha (200 L/ha)Aplicações deverão ser iniciadas no início da infestação quando do aparecimento dos primeiros adultos da praga. Repetir a aplicação se necessário em um intervalo de 7 dias. Recomenda-se fazer rotação com produtos que possuam diferentes mecanismos de ação sobre os insetos, evitando-se assim o aparecimento de populações resistentes a estes inseticidas. Realizar no máximo 2 aplicações por ciclo da cultura.
SojaPercevejo-marrom (Euschistus heros)100 a 120 g/ha (200 L/ha)Para o controle do percevejo-marrom, inspecionar a lavoura periodicamente após o florescimento e pulverizar a partir da fase de “canivete” (R3) quando for encontrado 2 percevejos ou mais maiores que 0,4 cm em campos de soja destinados para grãos ou 1 percevejo ou mais maiores que 0,4 cm em campos destinados para sementes, por metro linear da cultura. As amostragens devem ser realizadas preferencialmente nos períodos mais frescos, pela manhã ou à tarde. Repetir se necessário em intervalo de no máximo 10 dias. Utilizar a maior dose em soja com alta densidade de folhas. Realizar no máximo 2 aplicações por ciclo da cultura.

Atenção

Este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Leia atentamente e siga rigorosamente as instruções contidas no rótulo, na bula e na receita. Utilize sempre equipamentos de proteção individual. Nunca permita a utilização do produto por menores de idade.
Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.
Venda sob receituário agronômico.