Artigos

A consciência do manejo para evitar a resistência na Cana

UPL
16 de novembro de 2017

As mudanças no comportamento de daninhas e da cultura da cana de açúcar.

A colheita mecanizada da Cana é um dos fatores específicos da cultura com maior relevância na mudança em seu cenário de manejo de daninhas, alterando de forma consistente a flora dos canaviais devido a grande quantidade de palha deixada por ela.

Outros fatores também contribuem com a alteração no manejo das plantas daninhas como o fim das queimadas, plantio mecanizado e as mudas pré-brotadas. Anteriormente, a grande preocupação se dava em torno das plantas daninhas de folhas estreitas, atualmente essa atenção se divide com as plantas de folhas largas. Na qual podemos citar: Cordas-de-violas, Merremias, Mamona e Mucuna.

“Sendo assim, exigimos cada vez mais dos herbicidas para que de maneira consciente e sustentável atuem de maneira eficaz no manejo das plantas daninhas. É pensando desta forma e estudando os ativos de maneira mais intimista que a UPL realiza o posicionamento do seu portfólio de herbicidas”, explica Rodrigo Koriama, Agrônomo de Inovação e Desenvolvimento na UPL.

E para termos sucesso no combate das plantas daninhas é necessário que boas práticas e a integração entre os manejos seja adotado de forma consciente pelos produtores, segundo Rodrigo.

MANEJO EM TRÊS PARTES

Para alcançarmos este sucesso podemos atuar com os herbicidas em alguns momentos da cultura, conforme descrito:

Dessecação: importante manejo onde se eliminam as plantas daninhas da área, para que se possa plantar o canavial no limpo, neste manejo também podemos utilizar herbicidas pré-emergentes como o Zartan e Up Stage a fim de garantir um residual prolongado até o momento do plantio.

Pré-plantio incorporado: utilizado em áreas onde apresentam altas infestações de plantas daninhas, sendo este manejo imprescindível para a desinfestações destas áreas.

Pós-plantio: momento principal para o combate às plantas daninhas, onde se preconiza a pulverização de herbicidas com ação de pré-emergência das plantas daninhas a fim de garantir um residual suficiente até o fechamento do canavial.

“O Zartan é um ótimo exemplo de como a UPL vem atuando com os seus produtos. Um herbicida que foi mais pesquisado pelo nosso corpo técnico e que possui excelente eficácia e qualidade diante do cenário atual dos canaviais tornando uma excelente opção para o controle de Cordas-de-viola, Merremias e no manejo da Mucuna. Apesar da colheita mecanizada favorecer as plantas daninhas de folhas largas, não podemos de forma alguma nos esquecer das demais, elas continuam infestando e competindo com os nossos canaviais e é pensando assim que caminhamos para ter um portfólio que possa atender nossos clientes por completo e por isso temos herbicidas como o Unimark altamente seletivo para a cultura e que possui eficácia de controle tanto em pré-emergência como em pós-emergência das plantas daninhas e uma graminicida por excelência o Up Stage um dos mais utilizados na cultura com amplo espectro de ação e alta eficiência de controle nas principais gramíneas”, orienta Rodrigo.

Outro aspecto importante é saber que a escolha do herbicida deve respeitar suas características como: época de aplicação, tipos de solo, efeito de pós ou pré-emergência, etc.

“Conhecendo a especificidade dos herbicidas com certeza teremos maiores chances de sucesso de controle”, salienta Koriama.

QUATRO DICAS PARA O MANEJO NA CANA

Os cuidados e atenção devem ser comuns à todas plantas daninhas, como bem aconselha Rodrigo, mas vale lembrar que algumas espécies precisam de mais atenção, pelo seu difícil controle. Algumas dicas a seguir foram elencadas por Rodrigo Koriama e são importantes para o manejo de plantas daninhas:

  1. Monitoramento: saber o que precisa ser combatido é o primeiro passo para a escolha do manejo correto;
  2. Herbicidas: quanto mais conhecimento das características dos herbicidas disponíveis do mercado, melhor será a sua escolha e maior será o sucesso no combate;
  3. Tecnologia de Aplicação: tenha seus equipamentos de pulverização em dia, pois precisamos fazer que os herbicidas cheguem no alvo da melhor maneira possível;
  4. Recomendação: seguir as recomendações dos consultores técnicos de acordo com a bula dos produtos;
  5. Manejo Integrado: para plantas daninhas de difícil controle, apenas um manejo específico pode não ser suficiente, sendo assim devemos entender qual o melhor complexo de ações a serem tomados para obtermos sucesso.

“A resistência não é um assunto comentado entre produtores e pesquisadores de cana, por que ainda não existe nenhum caso identificado sobre a resistência de daninhas na cultura da cana-de-açúcar. Mas, não estamos livres de que possa vir a ocorrer. Sendo assim é muito importante respeitar as recomendações escritas nas bulas e propostas pelos consultores técnicos, bem como realizar sempre um manejo consciente de produtos, com diferentes modos de ação, para que não tenhamos problemas como temos visto nas demais culturas plantadas no Brasil”, finaliza Koriama.

SOBRE A UPL

A indiana UPL é uma empresa global que traz soluções inovadoras e sustentáveis em proteção de cultivos para o agricultor. Fundada em 1969, a companhia atua hoje em mais de 86 países com 28 fábricas que desenvolvem, fabricam, formulam e comercializam produtos da mais alta qualidade, segurança e tecnologia.

No Brasil, com 11 anos de atuação, a empresa está entre as maiores do segmento com faturamento global de mais de US$ 2 bilhões e ações na Bolsa de Mumbai. A indiana conta com fábrica e estação experimental em Ituverava-SP e foi eleita por dois anos consecutivos como a melhor empresa para se trabalhar pela Great Place to Work® em parceria com a Revista Época. Por meio de seu trabalho com produtores e pesquisadores para encontrar soluções mais eficientes para campo e através de novas formulações e produtos, equipe especializada e expansão de portfólio, conta com forte presença nos mercados de soja, milho, cana-de-açúcar, arroz, café, feijão, citros, algodão, pastagem e hortifrúti.

Ver mais Artigos >